Arquétipos na storytelling da saúde corporativa – P. 1
Arquétipos na storytelling da saúde corporativa – P. 1

Recapitulando nosso último artigo, conseguimos entender que arquétipos (Termo criado por Carl Jung, em 1919) são ideias/modelos/conceitos construídos coletivamente em sociedade através de muitos anos, e que as histórias elaboradas pela humanidade contam com arquétipos que atualmente estão sendo estudados no campo da gamificação. Neste artigo, abordaremos as características dos 3 arquétipos mais conhecidos, e como eles se comportam dentro da storytelling tratando da saúde de colaboradores dentro de uma empresa:

7-arquetipos-1-parte

 

Herói:

É o arquétipo mais fácil de identificar, pois geralmente a história do game se dá em volta dele. É muito conhecido por apresentar uma trajetória de crescimento pessoal, por enfrentar um conflito que o fará amadurecer e triunfar; gera grande identificação do público consigo, de empatia. Este arquétipo possui a capacidade de se doar por algo maior, de lutar por seu objetivo, e normalmente consegue ser bem sucedido ao final da história. É importante lembrar que o arquétipo herói nem sempre estará ao lado do bem; por vezes, poderemos vê-lo lutando do lado negro da força. Seu papel é muito importante dentro da storytelling, recebendo destaque, seja dentro ou fora dos games. O herói na maioria das vezes quando aplicamos um programa de gamificação em saúde nas empresas é o próprio colaborador que exerce esse papel. Ele terá que vencer as dificuldades do mundo comum onde leva uma vida pouco saudável, será chamado a participar de um desafio para mudar seu estilo de vida e no final vencer todas as barreiras e vilões que o impedia de ser mais produtivo e garantir mais saúde e disposição.

 

Mentor:

Apesar de aparecer como figura secundária no processo de gamificação, este arquétipo tem um papel fundamental na trama do game: é ele que auxilia o herói em alguma etapa de sua trajetória, fazendo-o crescer como personagem. O arquétipo mentor atua tanto de forma mascarada como de forma direta, e sempre se apresenta como mais experiente e mais sábio que o herói. O mentor irá dar as dicas/ferramentas/subsídios para que o herói seja bem sucedido em sua jornada, que cumpra o seu objetivo. Na storytelling, este arquétipo é visto como um fator motivacional, como uma espécie de elemento surpresa. A atenção dos participantes do game é presa pelo suspense que ele gera dentro da trama da história. É um arquétipo muito apreciado pelo público. Em muitos contos aparece como a Velha ou Velho Sábio. Mas na jornada de saúde da sua empresa, quem fará esse papel são os profissionais da saúde e qualidade de vida de modo geral. podendo ser figuras (personagens) representativas da própria empresa ou criados por nossa equipe que são eles: Médico, Educador Físico, Nutricionista, Psicologo, Coach, Gerente de Banco (para educação financeira), entre outros que aparecem para contribuir com a melhora da qualidade de vida dos colaboradores das empresas.

 

Sombra:

Toda história que apresente a trajetória de um herói, apresentará a face de uma sombra, o famoso e temido vilão. Este arquétipo normalmente é odiado por todos, pois é ele quem impõe barreiras para que o herói não consiga cumprir seus objetivos. A sombra, bem como seu nome sugere, estará sempre no encalço do herói, colocando seus planos malvados em ação para derrotar seu adversário. Apresenta-se como o lado mais forte no conflito do game, e isto leva o herói a ultrapassar muitos obstáculos para poder crescer e vencê-lo. Alguns vilões, por um determinado conjunto de fatores como personalidade, história e motivações podem gerar nos participantes uma empatia; em certos casos, o vilão poderá inclusive usar o disfarce de amigo do herói para mais tarde mostrar sua verdadeira face. É um arquétipo que oferece muitas possibilidades de trabalho de personagem, e que motivará o herói a se fortalecer para poder enfim combate-lo. Na nossa rotina temos muitos Sombras que atrapalham a mudança de estilo de vida para uma mais saudável, exemplos são personagens criados para representar todas as objeções para iniciar os exercícios, uma boa alimentação, diminuir o estresse ou mesmo manter comportamentos preventivos. Veja se reconhece alguns: Procrastinação, falta de tempo, falta de lugar ou companhia, não encontro o que gosto e outras várias que na gamificação transformamos em personagens para aos poucos serem combatidas pelo herói até a sua consagração.

Agora com estes 3 arquétipos detalhados, você já possui uma base de como poderá elaborar os personagens básicos para seu game impactar ainda mais a saúde dos seus colaboradores. No próximo artigo, você irá conhecer os outros 4 tipos de arquétipos mais usados no mundo da gamificação, bem como suas características. Continue nos acompanhando !

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Inscrito