Na raiz do problema: A importância de mudar a mente para emagrecer
Na raiz do problema: A importância de mudar a mente para emagrecer

Você já ouviu falar em mente magra? Nenhuma mudança de hábitos alimentares será eficaz, enquanto você não conseguir mudar a mente para emagrecer.

 

Você já tentou de tudo, arriscou várias dietas, seguiu inúmeros métodos, cardápios restritivos, se dedicou aos exercícios físicos, enfrentou a fome, a frustração, e não alcançou os resultados que pretendia?

E toda vez que você não atinge o objetivo, a frustração te invade, ainda com mais força, reduz sua motivação e te fragiliza. Não é assim que acontece?

E o que você faz para amenizar essa sensação? Busca recompensa emocional na comida?

Para conseguir emagrecer, é preciso ir além das mudanças nos hábitos alimentares e na prática de atividades físicas.

Para que os resultados sejam efetivos e definitivos, você precisa mudar a mente para emagrecer, alterar seus padrões de pensamento.

Todo o nosso repertório comportamental, incluindo, é claro, o comportamento alimentar, deriva dos nossos pensamentos, crenças, e visões de mundo. Partindo disso, a verdadeira transformação só pode acontecer de dentro para fora.

 

Mudar a mente para emagrecer? Isso começa com autoconhecimento

Autoconhecimento é um dos pilares para conquistar uma mente magra.

As pessoas que veem na comida uma “válvula de escape”, nem sempre estão cientes dos reais conflitos emocionais que as empurram para isso.

Existe uma forte relação entre os problemas emocionais e o excesso de peso, isso é fato inegável. Todos nós sabemos que a ansiedade é um fator agravante da obesidade.

Você, que luta para emagrecer, já deve ter vivenciado momentos em que a ansiedade se torna tão incontrolável, que o único “ansiolítico” (calmante) que encontramos é a comida.

Além da ansiedade, outras emoções (tristeza, mágoa, baixa autoestima, culpa, solidão, estresse, preocupação) também acabam sendo molas propulsoras para a compulsão alimentar.

Consegue entender a importância do autoconhecimento nesse processo? Você precisa saber distinguir a fome orgânica da fome emocional.

A fome orgânica é causada pela necessidade de nutrientes para o organismo. A fome emocional transforma o alimento em reforço positivo e diminui, ao menos temporariamente, a sensação de angústia e aflição.

Até aqui você se identificou? Já passou por situação semelhante? Já comeu além do necessário, para aliviar a fome emocional?

É essencial que você conheça e avalie suas próprias emoções. Assim, poderá compreender quais são as verdadeiras causas que sabotam seu emagrecimento.

A saúde do corpo está totalmente associada aos aspectos emocionais. O que não é resolvido na mente, o corpo sente!

Portanto, o autoconhecimento é a chave para você superar os obstáculos emocionais e mudar a mente para emagrecer.

 

Autossabotagem: o que é isso?

A receita matemática do emagrecimento é conhecida por todos: ingerir menos calorias do que se gasta. Portanto, seria apenas uma questão de comer menos e se exercitar mais.

Todos sabem o que deve ser feito para perder peso, mas por que é tão difícil?

Aqui, entram em cena os elementos sabotadores do emagrecimento que, com frequência, estão na nossa mente, o que reflete um processo inconsciente de autossabotagem.

Como dissemos anteriormente, além da fome orgânica existe outro impulso que nos leva a procurar comida: a fome emocional.

Quando surge a fome emocional, esse impulso sabotador afeta nossa capacidade de avaliar a real necessidade de comer: se é o corpo ou as emoções que precisam ser nutridas.

A ansiedade, sem dúvidas, é o maior impulso sabotador que existe no processo de emagrecimento. Quando estamos ansiosos, buscamos conforto e prazer imediato na comida.

O problema é que essa sensação reconfortante logo se transforma em culpa, e dá início a um ciclo interminável de comida- alívio- culpa- ansiedade- comida.

Toda e qualquer emoção negativa (que muitas vezes não é identificada pela própria pessoa), pode se transformar em elemento sabotador.

Os grandes vilões da dieta não são os carboidratos ou o açúcar, e sim os impulsos sabotadores, ou melhor, nossas emoções negativas, pensamentos automáticos e padrões comportamentais.

Para que você permaneça motivado em um plano de emagrecimento, é preciso, primeiro, saber manejar suas emoções, vencer a autossabotagem, mudar a mente para emagrecer e encontrar outras “válvulas de escape”.

 

Antes de mudar o cardápio, você precisa mudar a mente para emagrecer

Você já ouviu falar em mente magra?

Atualmente, existem profissionais (psicoterapeuta e coaching de emagrecimento) que fornecem o respaldo emocional para que as pessoas mergulhem na raiz do problema, e aprendam a mudar a mente para emagrecer.

Antes que a reeducação alimentar seja efetiva, primeiramente é necessário passar pela reeducação cognitiva, ou emocional. Isso significa trabalhar no âmago da questão e combater a autossabotagem.

O primeiro passo para desenvolver o pensamento magro é ficar atento às próprias emoções no momento da refeição, entrar em sintonia com suas necessidades interiores.

Por exemplo, quando comemos por ansiedade, nem mesmo paramos para apreciar o sabor dos alimentos. Ficamos tão sôfregos em busca de compensação emocional, que não prestamos atenção, de fato, ao que estamos comendo.

Claro que toda mudança exige muito treino e persistência. Você não vai conseguir mudar sua mente para emagrecer da noite para o dia.

No começo pode até parecer que nada disso funciona, mas com o tempo você percebe a modificação nos padrões de pensamento e comportamento.

 

10 regras de ouro para mudar a mente e emagrecer

Agora veja as 10 regras de ouro para sua reeducação cognitiva.

São dicas essenciais para te ajudar a ter a mente magra e mudar todo o seu histórico de luta contra a balança.

Se você treinar e praticar essas dicas, dia após dia, estará no caminho certo para mudar sua mente e emagrecer:

  1. Falhou? Siga em frente, não desista;
  2. Coma devagar e saboreie os alimentos com prazer;
  3. Respire fundo, preste atenção ao que está sentindo enquanto come;
  4. Observe se sua fome é física ou emocional;
  5. Coma somente para suprir a fome física;
  6. Faça escolhas alimentares inteligentes;
  7. Estabeleça pequenas metas e as alcance;
  8. Confronte os seus pensamentos negativos e sabotadores;
  9. Encontre o prazer na vida, não apenas na comida;
  10. Lembre-se que emagrecer só depende de você.

Não gaste mais seu tempo e suas energias arriscando qualquer método de emagrecimento. Saiba quem realmente é você, conheça suas emoções e suas verdadeiras necessidades. Treine a reeducação cognitiva, aliada à reeducação alimentar.

Mude sua mente e emagreça de uma vez por todas!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Inscrito